A Real sobre ''Casar pra não ficar sozinho''

| 2 comments
por D. Conservador


Quantos de vocês já ouviram falar de pessoas que casam por medo de ficarem sozinhas na velhice? Existem muitos casos de casamentos visando o objetivo de ter ''alguém'' pra fazer companhia pra quando ficar velho.

Encarar o casamento como uma espécie de previdência social e impor esse tipo de obrigação a seus filhos pode ser um erro fatal que você venha a cometer.

Eu acredito que o objetivo do casamento é: formar uma família honrada e criar seus filhos dentro dessa unidade familiar, para que tenham amparo e não cresçam cheios de complexos (Uma família desestruturada pode ser traumático, na maioria das vezes).

Vou dar minha opinião a respeito do erro de tratar o casamento como previdência e achar que ele é seu seguro-solidão. Vamos lá:

1) ASILOS NÃO SÃO FORMADOS EXCLUSIVAMENTE POR SOLTEIRÕES CONVICTOS.

Aquele grupo de velhinhos que vivem em asilos não são pessoas que viveram como solteiras e agora, como estão velhas, precisam de alguém pra cuidar delas.

Pelo contrário, muitos velhos ali estão por estarem abandonados por seus filhos ou estão viúvos e os filhos não os visitam. Pra não ficarem SOZINHOS, vão se juntar a um grupo de velhos pra ter com quem conversar.

Visitem asilos e conversem com os velhos lá presentes pra ver se ali tem ex-baladeiros, ex-solteirões, ex-vida lokas. Vocês perceberão que a maioria ali tinha esposa e até tem filhos. Esse é um dos motivos que mostram que encarar o casamento como seguro-solidão é roubada.

2) QUEM GARANTE QUE VOCÊ VAI MORRER PRIMEIRO QUE SUA ESPOSA?

É uma das reais mais fortes que corroboram minha teoria. Se você casa pra não ficar sozinho e sua esposa morre, então você casou em vão.

A morte é a única certeza dessa vida e quando ela vai ocorrer é que é a maior das incertezas. Logo casar por medo de ficar sozinho é presumir que você morrerá primeiro, e o casamento como previdência lhe poupou da solidão ( só não poupou sua esposa)

3) FILHO NÃO É PREVIDÊNCIA SOCIAL pra lhe dar seguro-solidão.

Ai existe a probabilidade de 50%. Seu filho pode sumir ou não. Cada filho tem sua própria maneira de ser e existe a possibilidade real de eles nem te visitarem (como acontece com alguns velhos no asilo) ou eles até podem te tratar com zelo e lhe visitarem.

Ainda assim, serão visitas esporádicas e até raras. POR QUÊ?

Seus filhos, quando adultos, terão suas próprias vidas , trabalhos e compromissos. Pouco tempo restará pra que eles fiquem com você. O tempo em que ficará na companhia do pai pode ser praticamente irrisório comparado ao tempo em que o filho gastará com esposa, trabalho e seus filhos (netos).

CONCLUSÃO

Casamento por medo de solidão é análise unilateral dos fatos. É deixar de levar em consideração a sua esposa que pode morrer primeiro e seus filhos que podem lhe abandonar. E isso não é uma possibilidade descartada.

Isso pode acontecer com qualquer um. E quanto ao medo de ficar sozinho na velhice?

Minha opinião é que no final, o idoso acaba ficando sozinho de qualquer maneira. Ele fica viúvo e os filhos não podem ficar com ele em tempo integral, no máximo 20% do tempo. Afinal, os netos precisam estudar, seus filhos precisam fazer uma jornada de trabalho pra sustentar seus filhos (netos). E o idoso, aposentado, acaba tendo pouca coisa pra fazer.

Portanto, confrades, encarem o casamento como uma unidade familiar onde criará filhos honrados mas nunca casem pra não ficarem sozinhos. Pode ser decepcionante no final, dar a esposa e filhos o encargo de previdência social. Pode ser que as coisas não saiam conforme o planejado.

2 comments

Anônimo 25 de outubro de 2012 09:28

oi se liguem nesse trecho da biblia ate jesus mostrou a importancia do desapego!!
1 Cor 7,29-31: "Isto vos digo, irmãos: o tempo é breve. A partir de agora, aqueles que têm esposas vivam como se não as tivessem; aqueles que choram, como se não chorassem; aqueles que se alegram, como se não se alegrassem; aqueles que compram, como se não possuíssem; aqueles que usam os bens do mundo, como se não os usassem plenamente. Porque a figura deste mundo passa".

Anônimo 7 de janeiro de 2013 02:29

Toma! Os fatos aqui explanados têm até respaldo bíblico. Meus sinceros cumprimentos e admiração ao D. Conservador e ao autor anônimo do comentário acima.

Eu poderia passar a madrugada toda aqui fazendo experimentalismos léxicos de argumentações, sendo maçante em tantos motivos pra praticar a indiferença ao ponto de ser extremamente prolixo, mas vou resumir tudo numa só frase:

"Desapego é menos sofrimento".

Postar um comentário