O macho-utilitário

| 1 comment
por Doutrinador
Backup do blog do Doutrinador por Soldado


Não é segredo pra ninguém que muitos homens hoje são tirados pra machos-utilitários.

O termo é auto-explicativo portanto não vou ficar aqui desenhando de onde o tirei.

Algumas mulheres espertinhas sacaram o poder de barganha que tem a sua sensualidade + a ingenuidade de muitos homens e resolveram aproveitar isso num coquetel diabólico pra conseguirem favores gratuitos.

Lembram daquela cena da loira que todo mundo para na estrada pra ajudar a trocar o pneu, na esperança de alguma migalha de atenção dela?


Ou daquela cena clássica em filmes da mulher levantando a saia/blusa pra conseguir uma carona?


Hoje isso é mais comum em casos de nerds, gênios da tecnologia ou craques em informática que consertam computadores de graça e resolvem equações matemáticas cabeludas na esperança de conseguirem um encontro e ganhar a aprovação de alguma mulher (leia-se migalhas de sexo e atenção).

Nem preciso dizer quão idiotas são esses caras e quão sacanas são essas mulheres que se aproveitam de caras que "topam tudo por vagina".

(Comentário do Soldado: veja o "Passo 5: se faça de boba" - do artigo Como manipular os homens: joguinhos mentais para garotas malvadas)

Se você é homem, não seja idiota de fazer o dever de casa daquela gostosa da sala e fazer upgrade no computador dela de graça enquanto ela sai com o cafajeste repetente sem-cérebro do fundão.

Se você é mulher, deixe de dar uma de espertinha pra cima dos caras prometendo sexo e encontros fajutos e PAGUE pelo serviço.

Resumindo, não sejam esses daí (cliquem para melhor visualização reclamões):




Sacaram? O sonho de qualquer homem é ser valorizado por suas habilidades científicas monstruosas e capacidades heróicas de resolver problemas.

Mas isso não acontece.

Na esmagadora maioria dos casos, diversão = caras do fundão, favores = cientistas das cadeiras da frente. Mas isso não significa que você deva esvaziar seu cérebro e se tornar um cara do fundão repetente.

Dica do Doutrinador: Seja esperto e enriqueça cobrando o serviço delas e montando uma tabela de preços para dicas e favores. Em breve vou mostrar um modelo aqui no blog, fique ligado.

Caia na real AGORA e deixe de ser um paspalho-utilitário na mão delas. Cobre por serviços e favores e enriqueça.

(Comentário do Soldado: na verdade, cobrar favores geralmente é uma forma indireta de recusar, porque na maioria das vezes a mulher não vai querer pagar pelo serviço).

1 comment

Anônimo 26 de julho de 2012 01:30

Um dos grandes problemas para um homem deixar de ser tratado de maneira utilitarista está em sua formação. O que digo aqui também em parte poderia acontecer com qualquer pessoa, independente de seu sexo.
É mais do que normal que se peça favores para uma criança ou um adolescente, conforme aquele fardo que possa segurar. O problema muitas vezes está ao descobrirem que aquela vida em formação é inteligente e capaz, podendo fazer com que se transforme em um verdadeiro burro de carga.

E nessa, vai se criando naquele indivíduo uma mentalidade de que terá de cumprir um monte de favores para ser aceito. Quem estiver em uma posição filial terá contra si também a questão econômica, sendo na maior parte das vezes hipossuficiente em relação a seus pais, podendo isso se manifestar na natural falta de grana que qualquer adolescente tem, mas também na não-possibilidade de poder morar sozinho caso seja adulto e esteja enfrentando um período de desemprego ou trabalhos pouco remunerados.
No primeiro quadro, se o adolescente se recusa a prestar favores em excesso para seus pais, estará se submetendo ao risco de ouvir um monte de groselha, testemunhar chiliques e outras coisas. Já o segundo caso poderá inclusive significar a possibilidade de ser despejado de onde bem ou mal mora. E de qualquer maneira, será também um teste de paciência daqueles, pois a parte hipersuficiente da equação irá se sentir empoderada de tornar a hipossuficiente um serviçal. O ciclo dos favores em excesso poderá inclusive se agravar quando da velhice de seus pais (aqui pensando no adulto que ainda mora com os pais porque não consegue arranjar um emprego bem remunerado e estável o suficiente para que possa realizar o sonho do imóvel próprio), pois quanto mais coisa uma pessoa delega a outra, maior é a tendência de que desaprenda um número maior de tarefas. E nessa, começará a ser chamado para favores idiotas e de repetição, como explicar para os pais como é que se muda os canais da TV, pergunta essa que será repetida depois de algum tempo da mesma forma. Aliás, fica a dica para que ninguém deixe de fazer o que sempre fez nem fique delegando para os outros aquilo que pode fazer sozinho, pois é visível a diferença entre um velhinho que se manteve capaz por fazer sua rotina e outro que ficou se escorando nos filhos, até mesmo em aspectos como saúde geral.

Vamos agora para a parte que diz respeito ao homem. Pense no quanto que boa parte desses homens que se tornam utilidades do lar estão com essa mentalidade entranhada em seus cérebros por terem sido tratados por seus pais como carregadores de piano. Tal pensamento acaba sendo transferido para outras esferas da vida sem que ele se dê conta. No caso do relacionamento com mulheres, fica pior, uma vez que seres humanos têm uma natural atração para aquilo que com eles se parece (pesquisas científicas mostram que um cônjuge tende a se assemelhar aos pais do outro cônjuge até mesmo em detalhes que ninguém prestaria atenção conscientemente, como tamanhos de dedos). No caso do homem, isso significa que ele em sua busca acabaria por se associar a mulheres que pedissem tantos favores quanto suas mães lhes pediriam. Se as mães pediam muitos favores, então é de se imaginar uma maior probabilidade de esse cara sem notar procurar uma mulher que fosse tão dependente (ou se fizesse de dependente) quanto sua mãe. Isso, como bem sabemos, paspalhiza alguém que é uma beleza. Quem contrabalançaria isso na criação seria o pai, mas se este também pede um monte de favores ao filho também irá imprimir e reforçar tal impressão em seu caráter.
Obviamente que a pessoa não deve se martirizar ou vitimizar por isso ter acontecido em sua vida, mas lutar contra, após ter identificado isso, justamente para que não seja vítima de pedidos de favor alheio, bem como passar a cobrar retribuição prévia ao favor pedido (o famoso "o que ganho com isso?"), bem como, caso tenha filhos, de não os submeter a um monte de favores, até para evitar que se paspalhizem em um mundo que monta em suas costas se forem demasiadamente prestativos.

Postar um comentário